ENTENDA O JOGO: Esquema Tático do Vitória


No momento defensivo duas linhas de quatro, agora bem definidas, e dois jogadores mais à frente formando um 4-4-2 com Cleiton entre eles. No momento ofensivo, um misto de 4-3-3 com 4-2-3-1, mas que, na prática mesmo, se vê 4-2-1-3 e até 4-2-4. Vamos agora entender porque o treinador Wesley não alterou, e o então treinador Petkovic ainda não mudou a disposição tática do time de ARGEL Fucks.

Sejam bem vindos ao nosso novo quadro “Entenda o Jogo”

O Vitória tem no seu elenco cinco Meias. Dentre eles, Meia Armadores e/ou Meias Atacantes, que atuam por dentro centralizados, ou por fora como Extremos, podendo também virem de trás como Apoiadores.

No entanto, apesar de não ser uma regra, todos esses treinadores citados, afirmam que atuam no 4-2-3-1, mas utilizam atacantes nas funções que precisa ser desempenhadas por atletas de característica de criação, com boa dinâmica de jogo e velocidade. Volto a frisar que o Vitória joga com atacantes extremos de característica de força, velocidade e finalização. E o time tem apenas dois atletas com esse perfil, David e Paulinho.

Com os recentes acontecimentos que vieram à tona sobre o racha do grupo de jogadores, ainda pela saída do Treinador Argel, já temos a primeira explicação para uma não mudança no Sistema de jogo. Isso poderia acarretar numa perda de posição de um ou outro atleta. Se não, vejamos.

Foi notória a mudança de postura e modelo de jogo do time de Argel para o de Petkovic, vale salientar que modelo de jogo é diferente de sistema tático, mas mesmo PET trazendo um modelo diferente e mais próximo do estilo da maioria dos atletas do elenco, o esquema, aqueles números que mostram a disposição no campo e até posicionamento, não foi aliterado ainda. Isso chama muita atenção porque traria benefícios ao conjunto e atenderia à necessidade de trocar as peças pra atender a formação, tirando do time atletas como momento ruim e outros já reprovados.

Como em quantidade temos Meias e Laterais de sobra, além de jogadores versáteis que podem trabalhar em outras funções. Trazemos aqui algumas ideias de disposições táticas para o time que já eram para ter sido trabalhadas. Isso teria dado mais possibilidade de criação a partir do segundo terço do campo, que é onde esse time mais sofre.


4-3-3 Falso nove com momento defensivo de 4-1-4-1 como abaixo


Podemos também ir de 4-3-2-1 pois Neilton rendeu muito no Botafogo assim. Esse sistema encaixa 4-5-1 ou 4-1-4-1 no momento defensivo.


Ou até mesmo praticar o 4-2-3-1 com linhas reais de 3 meias, bem alinhados por dentro e sem muita necessidade de que os volantes sejam construtores.


Ou um 4-4-2 com dois centroavantes e alas agudos buscando o fundo do campo com volantes defensivos fazendo cobertura aos alas.


Para finalizar, não adianta alterar o treinador se esse novo nome for conhecer novamente todos do elenco e praticar o sistema tático de Argel para analisar. Esse é o primeiro fator.
O segundo é a questão do grupo rachado e o fato de os atletas fazerem corpo mole quando forem sacados do time e/ou criarem grupos para derrubar técnico.
O terceiro fator é o medo de ter a cabeça à prêmio do próprio treinador, caso suas mudanças não tragam resultados imediatos e satisfatórios, fazendo o mesmo perder o emprego.
O time precisa desse choque de mudança no sistema para gerar um fato novo no grupo e melhorar a movimentação em campo. O modelo já esta sendo alterado, mas o sistema utilizado está engessado e sem ideias a partir do segundo terço do campo.

É isso aí galera!

Por @AdsonPiedade

0 comentários:

Postar um comentário