Expectativa para o futebol do Vitória nos próximos anos


 O Vitória iniciará 2017 com um novo comando, após a chapa Vitória do Torcedor, "liderada" por Ivan de Almeida, vencer as eleições.

Antes de focarmos no Vitória, é importante destacar que o futebol brasileiro vem sofrendo algumas mudanças dentro e fora de campo, em relação a forma de planejar o futebol. Vários clubes já buscam uma estrutura mais sólida, baseado em modelos vencedores já utilizados em grande parte na Europa.

Pois bem. O Futebol brasileiro estava acostumado com o amadorismo de seus dirigentes, já que, há um tempo atrás, não existia tanto curso de especialização na área. Nossos dirigentes chegam ao clube vindo de diversas setores, que nada tem a ver com o futebol e acabam "aprendendo" na prática.

O Futebol vem se modernizando e profissionalizando de tal maneira, que não dá mais para fazer gestão como antigamente. Vários cursos de especialização estão sendo fornecidos no Brasil, inclusive a própria CBF vem aprimorando seu curso para treinadores. Podemos ver nas redes sociais e na própria imprensa a busca por aprender e entender o que acontece nas quatro linhas, as estratégias, não apenas aqueles debates pobres em conhecimento do jogo.

Falando sobre o Vitória... Ao meu ver, duas chapas apresentaram um planejamento concreto e de acordo com o que vem acontecendo no futebol moderno, foram elas Vitória Gigante (liderada por Paulo Carneiro) e Vitória de Todos Nós (liderada por Ricardo David). Esses planejamentos seguiam uma linha que priorizava entre outras coisas uma filosofia de jogo própria do clube, evitando assim que a estratégia fosse alterada por conta de mudança de treinador ou diretor de futebol. Um modelo de jogo do clube faz com quê os garotos das divisões de base se formem aprendendo as funções necessárias para execução em campo de categoria em categoria. Hoje, geralmente, cada treinador da base implanta sua filosofia, assim como na equipe principal, sendo que a cada mudança no comando isso acaba sendo alterado.

As duas chapas citadas tinham em seu planejamento para o futebol definir uma filosofia de jogo do clube, e trazer profissionais que se adequassem e tivessem um perfil semelhante ao que seria implantado. Ou seja, o Vitória não seria refém de algumas pessoas, elas é quem teriam que se enquadrar nesta filosofia.  Assim como acontece por exemplo no Barcelona.

Me preocupa o fato da Chapa vencedora da eleição não ter apresentado nenhum tipo de plano para o futebol, e as primeiras medidas que estão sendo adotadas nos mostram que as velhas práticas continuaram acontecendo no clube, o que mudou foram apenas nomes. E agora eles devem confiar na visão destes nomes.

O primeiro deles é Sinval Vieira, que já teve bons serviços prestados, porém demonstrou nos últimos anos uma total falta de estudo e conhecimento do que vem acontecendo no futebol, inclusive chegando a afirmar que esquema tático é pura "baboseira". Será que Sinval, homem responsável pelo futebol do Vitória, sabe o que é um modelo de jogo? Será que eles estão buscando jogadores baseado em qual estratégia?

Não tenho rejeição a qualquer nome, desde quando eles tenham buscado conhecimento na área e estejam preparados para assumir tal função. Sinval e Jorginho Sampaio se enquadram?

Argel Fucks foi confirmado no comando técnico da equipe. Gostaria muito de saber quais critérios foram usados para essa permanência. Quais conceitos de jogo Argel mostrou para poder continuar? Marcação por encaixe, time espaçado apostando na individualidade de Marinho... É esse modo de jogo que a atual diretoria quer? Será que eles se perguntaram isso? Apenas questionamentos, pois não existe sistema ideal, ele se torna ideal quando bem executado. Mas será que Argel é capaz disso?

Se o clube não tiver um planejamento sólido e profissional para o futebol, o Leão tende a continuar sem evolução neste sentido, acarretando em oscilação durante as temporadas. Esse era o momento de dar um salto, mas, infelizmente, parece que continuaremos estagnados.

Não preciso esperar o que vai acontecer para ter uma opinião, pois, por mais que em um ano o Vitória tenha sucesso dentro de campo mesmo desta forma de gestão, a longo prazo não se sustenta. O discurso de profissionalizar o futebol qualquer um pode ter, o problema é como fazer.

O torcedor precisa questionar e não apenas dizer amém a tudo que lhe é dito. Buscar o conhecimento, construir sua critica baseada em argumentos concretos, faz muito bem para o clube. 

Até agora espero o planejamento de futebol que seria divulgado na segunda-feira. Se o mesmo for divulgado, se é que existe, terei o prazer e tranquilidade de elogiar, se for bom, mas não me pouparei de criticar se julgar necessário.

Por Cassio Santos/@CassioNSantos
Foto: Divulgação EC Vitória

Um comentário:

  1. Muito pertinente seu artigo Cassio, realmente no futebol não cabe mais amadorismo, e isso está claro nessa nova direção do vitória, pessoas desqualificadas exercendo um papel o qual não se capacitaram para tal, o que me deixa de uma certa maneira indignado é o fato da torcida do vitória sentar e esperar o milagre, é termos a oportunidade de mostrar algo diferente com o nosso voto e continuar escolhendo o mais do mesmo. Termino meu comentário com uma pergunta: até quando vamos querer um clube com a organização e o futebol do Barcelona e Real Madrid e vamos colocar pessoas a nível de Várzea?

    ResponderExcluir