PAPO TÁTICO: Fluminense de Feira 1 x 0 Vitória


Mais um jogo do Vitória no fraco campeonato baiano em que o time não consegue colocar em campo a superioridade técnica - sim, ela existe - frente aos adversários. Não consigo digerir o fato da equipe comandada pelo técnico Vagner Mancini ter enormes dificuldades de ditar o ritmo da partida.

Para ter as rédeas do jogo, é necessário ter a bola, movimentação dos jogadores para dar opção de passe aos companheiros, ultrapassagens, triangulações.... O que tem sido cada vez mais raro.

São quatros jogos da equipe no campeonato baiano e, ao invés de evolução, estamos vendo regressão. Um time lento, sem rodar a bola e sem criar chances de gols.

Como já citado e mostrado através de imagens em nosso Papo Tático, a equipe rubro-negra possui grandes dificuldades para iniciar a construção das jogadas, como para criar e definir. Volto a criticar a utilização de dois volantes com as características de Amaral e Farias, este segundo até que vem conseguindo fazer o jogo fluir um pouco melhor que o colega, mas ambos não possuem dinâmica. Ter um em campo já é suficiente, e tendo outro atleta que tenha mais cacoete com a bola nos pés, poderá fazer o jogo fluir melhor.

Na derrota para o Fluminense de Feira por 1 x 0, foi possível visualizar mais uma vez a enorme dificuldade em iniciar as jogadas. O zagueiro Vinícius era visto constantemente tentando ligação direta com o setor ofensivo. Mas como isso poderia dar certo, se não existe nenhum jogador para disputar essa bola de cabeça? Mancini não utiliza quatro jogadores com características de movimentação na frente para tentar jogar com a bola no chão?

É importante destacar que Mancini não possui nas mãos um elenco capaz de disputar uma série A, porém, a equipe pode e deve fazer bem melhor no campeonato baiano, e essa sequência de más atuações acaba sendo culpa também do treinador.


Por Cassio Santos/@CassioNSantos
Foto: EC Vitória


0 comentários:

Postar um comentário