A FONTE: Adeus de Escudero, um desfecho desenhado


Chegou ao fim mais uma novela envolvendo o Esporte Clube Vitória e suas renovações de contrato. Por meio de sua Assessoria, Escudero agradeceu o torcedor rubro-negro e se despediu do Leão. Então, vamos aos fatos.

Na última sexta-feira (18) postamos um texto (leia aqui), no qual mostramos a arriscada estratégia dos mandatários do Vitória em relação a renovação de contrato com Escudero. Depois de terem pago uma parte da dívida, que girava em torno de 350 mil dólares e não os 500 mil reais como foi constantemente noticiado por outros meios, o Vitória se encaminhava para um acordo com o gringo. No entanto, ao saber que Escudero havia sido oferecido a outros 5 clubes, inclusive ao Bahia, mas todos deram para trás por conta dos altos valores, os dirigentes rubro-negros resolveram retroceder de sua oferta inicial (220 mil reais mensais, luvas e reparcelamento da dívida) em busca de um novo acordo menos custoso ao clube.

Pois bem, a estratégia saiu como um tiro no pé, já que a proposta do Pueblas, do México, apareceu, com isso, os agentes de Escudero aumentaram a pedida, solicitando pouco mais de 5 milhões de reais, sendo 1 milhão de luvas, 350 mil reais de salário e o reparcelamento da dívida, o quê, óbvio, não foi aceito pela diretoria.

A última proposta feita pelos empresários do atletas é onerosa? sim. Mas foi o próprio clube quem permitiu que ela acontecesse quando teve a oportunidade de fechar o negócio e não o fez.

A renovação de contrato com Escudero nunca foi tratada no Vitória como prioridade, apesar do discurso contrário. Alguns mandatários achavam o argentino muito oneroso, não valendo a pena seu custo benefício, tanto quê, ofereceram ao jogador apenas um ano de contrato, enquanto o Pueblas, dois anos. O clube tem adotado essa política (renovação por apenas um ano, como aconteceu com Fernando Miguel), muito pelo fato do encerramento de mandato do presidente, o que não concordo quando estamos tratando de jogadores com qualidade comprovada e que podem render por mais tempo.

E o discurso para a mídia será: "O jogador pediu demais, não podemos fazer loucuras....", mas a verdade você conhece aqui, torcedor.

Por Cassio Santos/@CassioNSantos
Foto: Bahia Notícias


Um comentário:

  1. Virou uma rotina em final de temporada no ECV. Diretoria incompetente para negociar, inclusive na época de Maxi, quando deixaram um ídolo debandar-se para o rival.
    Grandes políticos, péssimos gestores.

    ResponderExcluir